E me salvou

E seu sorriso fez morada em meu caminho, eu nada me questionei e simplesmente aceitei, aceitei a forma que me fez sorrir e a forma com que carinhosamente abraçou meu coração, pausadamente escutou cada aflição, cada angústia e cada sofrimento, fez isso com cuidado e com o mesmo cuidado foi me colocando curativos. O estranho é que eu nem percebi quando os curativos chegaram, você fez isso com tamanho carinho que não senti dor alguma no momento que as feridas começaram a ser remexidas.

O estranho é que justamente eu que sou tão ligada a esses detalhes não me deixei notar, e me acostumei e me aconcheguei na sua presença, me silenciei em sua companhia e muitas vezes você entendeu o meu silêncio, e sem me questionar o respeitou. Talvez seja isso que venha diferenciando essa "relação", o fato de não se rotular nada, de não buscar explicações se de simplesmente sentir, sentir esse que não necessita de rótulos.

"E quando eu baixei a guarda você surgiu em meu caminho, e seu sorriso me revelou coisas que há muito tempo eu não sabia que existia, entendeu minhas feridas e cuidou com muito cuidado de todas, não se questionou por onde andei e quem me magoou, simplesmente ouviu, sentiu e curou, e há quem diga que um sorriso não salva, eu discordo e digo o seu me salvou"


0 comentários:

Postar um comentário

<< >>